sexta-feira, 3 de setembro de 2010

FAQ - Frequently Asked Questions

Como vivo dizendo por aqui, recebo muitos emails de muitas meninas que estão enfrentando o vaginismo. As histórias são parecidas, mas cada uma de vcs é uma pessoa especial e tem suas próprias características. Muitas aparecem uma vez e depois somem, muitas outras se tornam minhas amigas para sempre e eu gosto muito disso! :D
.
Como já disse em outros posts, há muitos emails para responder e as histórias são longas. Não reclamo não, gosto muito de ajudar vocês e acho necessário que vcs escrevam bastante da sua história pra que eu possa entender e dar opiniões mais relevantes. Por outro lado, sendo bem sincera com vcs (não me achem chata, aposto que vcs achariam o mesmo no meu lugar), eu me canso um pouco de perguntas sobre mim. Pq eu tenho que contar pra todo mundo a mesma coisa, sabe? Daí, ao invés de ajudar a pessoa com o problema dela, fico falando do meu... e escrever sempre a mesma coisa pra todo mundo é muito maçante...
.
Daí eu pensei: oras, mas eu sou mesmo uma preguiçosa, né? Como as pessoas vão saber das coisas se não me perguntarem? Esse tipo de coisa que elas perguntam, realmente não está no blog! Aí que piscou a lampadinha dentro do meu cérebro e surgiu a brilhante idéia de criar um Frequently Asked Questions (o tal FAQ, que nada mais é do que uma compilação das perguntas mais frequentes) que todo site chique tem (meu blog, pelo menos pra mim, tá na categoria de sites chiques! hahaha).
.
Então, eu fiz um "estudo" e descobri as perguntas que mais recebo por email, são elas:
.
Bom, essas são só as mais comuns, se você tiver mais dúvidas, pode mandar no meu email sim, assim que der eu respondo e se ela passar a ser muito perguntada, vai ser promovida aqui pro meu FAQ! :D
.
Boa sorte a todas e não desistam nunca de se curar, hein? Quero ver todo mundo aqui curada quando eu voltar! (hehehe)
.
Bjs
.
Dani

36 comentários:

Marb disse...

Obrigada, Dani!! Tem bastante leitura pra nos informa até você voltar. Boa viagem! =)

Mariana

Anônimo disse...

Oi amiga... ótima idéia, pra variar já li todos post... é isso mesmo...exatamente isso, as mesmas perguntas e as mesmas respostas sempre hehehe... boa viagem aproveite muito...
um beijo.
Marta M.

Grazi disse...

Perfeito Dani!!

Obrigada pelo seu empenho em ajudar

Bjs

K. disse...

Amiga, que post fantástico! Parabéns! Muito bom mesmo!

Anônimo disse...

Olá!

Em primeiro lugar gostaria de te dizer muito obrigada!!! Eu não costumo ler blogs, nunca me interessei, mas o seu, realmente acho que vai me ajudar! Eu sofro há algum tempo pela incapacidade de penetração, e nem imaginava que isso é um problema específico, e que pode ser resolvido (tomara!). Parabéns pelo blog!

Carol disse...

Dani!
parabéns pelo Blog!
é maravilhoso!
Também sofri muito tempo do vaginismo e fui curada!

Daniela Barros disse...

Oi, meninas!
Que bom que vcs gostaram do post! Espero que ajude mesmo muitas de vcs!
E vc, Carol, se curou? Se ler este comentário, me mande um email, por favor!!
Bjs

paula disse...

parabéns a todas pela luta!

Daniela Barros disse...

Obrigada pela visita, Paula!
Bjs

Anônimo disse...

Vou completar dois anos de casada em abril desse ano, já não aguento mais sofrer com isso e causar tristeza no meu marido. Sou evangélica e tenho procurado em Deus forças para continuar... Já fiz terapia (não achei que ajudou muito), procurei minha ginecologista que é uma pessoa maravilhosa ela passou fisio e terapia, ainda não fiz a fisio e nem sei se tem aonde moro e se é caro. Ontem decidir tentar coisa que antes nunca tinha feito, me satisfazia apenas com os amassos, mas isso não é a forma completa de um casal ser, ontem pela 1ª vez eu tentei e não consegui. Meu marido ficou extremamente feliz pq resolvi tentar, sua postura é ótima e peço que me ajude a dizer a melhor posição e o que faço para tentar com sucesso, pois a sensação que tenho é não vai dar para entrar e que vai me rasgar. Deus te abençoe pela grande iniciativa.

Anônimo disse...

Olá Daniela,

Meu nome é Ana Botelho*, tenho 29 anos e ainda sou virgem. Após várias tentativas de perder a virgindade, decidi procurar um ginecologista para um procedimento de rompimento do hímen. Relatei pra ele que eu não conseguia nem mesmo deixar o pênis chegar perto da "portinha", por conta de uma super sensibilidade e um super medo (tinha a impressão que seria rasgada). Conversamos bastante, ele me convenceu a não fazer o procedimento e me aconselhou a conhecer meu corpo, me tocando...etc.
Assim que cheguei em casa, fui me olhar no espelho, tentar me tocar, mas como foi difícil. Eu nem consegui colocar um contonete, fiquei desesperada, pois eu tinha uma grande sensibilidade. Não desisti e todo dia tentava introduzir alguma coisa, com intuito de dessensibilizar a minha vagina. Tive grandes progressos, porém por conta dos estudos, monografia, OAB, festa de formatura, "larguei o tratamento", fiz essa grande besteira. Um fato curioso q devo mencionar, e aqui, a despeito do certo e errado (aviso às religiosas), recentemente decidi fazer sexo anal com meu namorado e consegui, doeu um pouco, mas tudo suportável. E passamos a nos relacionar dessa forma...acredita??? Então como entender esse medo do sexo vaginal??? Descobri seu blog hoje...chorei de alegria lendo as histórias de superação. E volto hje com meu tratamento de dilatação e dessensibilização da minha vagina. e espero em breve, contar a minha história de superação e fazer parte do grupo das ex-vagínicas.

Anônimo disse...

Olá, admiro sua luta. Esse assunto NUNCA é falado nos consultórios. Os médicos são mesmo bastante despreparados. Pode enviar e-mail onde é possível comprar os dilatadores no RJ ou SP???Moro No Brasil.
agradeço,

Anônimo disse...

Dani tudo bem?

Comecei a ler seu blog a pouco tempo, tenho que ler muita coisa ainda, mas tenho algumas dúvidas de início.
Comecei a namorar uma linda menina de 25 anos, nossa primeira noite juntos foi bastante divertida mas sem penetração, ela achou que comigo daria certo e não me contou da situação.
Ela fraquenta uma terapeuta sexual a pouco tempo e queria saber o que posso fazer para ajudar, além de ama-lá e ser paciente.
Uma fisioterapeuta e o uso dos dilatadores é mais eficaz?
Enfim, queria saber se posso ser mais ativo para ajuda-lá, ou eu acabaria atrapalhando.

Com certeza terei mais questões, e espero que não se importe.

Obrigado e um abraço

Marco

Anônimo disse...

Oi gente! Eu ainda sofro com esse problema. Ainda bem q encontrei uma pessoa maravilhosa q é meu namorado, e q vem me ajudando mt com pesquisas e paciência. Inclusive foi ele q encontrou esse blog! Hj em dia me sinto + segura para falar sobre o assunto, tirar dúvidas e finalmente buscar tratamento! Um bj a todas!

Augusto Mendes disse...

SEXUALIDADE FEMININA

Estamos no terceiro milênio, no entanto em alguns aspectos a sexualidade feminina ainda está na idade média. Claro que houve avanços, afinal hoje uma mulher grávida na praia de biquíni já não chama mais atenção. Mas para muitas essa tal liberdade ainda não chegou, daí o grande numero de mulheres que se queixam de: anorgasmia (falta ou dificuldade de atingir o orgasmo), vaginismo (contração involuntária da musculatura vaginal impedindo ou dificultando a relação), frigidez (falta de interesse pela atividade sexual). Há ainda muita timidez, insegurança, vergonha do próprio corpo, vergonha de se despir ante o companheiro...

SAIBA MAIS EM
WWW.AUGUSTOMENDES.COM.BR

Anônimo disse...

Preciso de AJUDA URGENTE!!!!

Anônimo disse...

Olá, procurando solução para o meu problema na internet, achei o blog vaginismo tem fim!!!! Lendo os posts eu me identifiquei muito, porque tudo aquilo que diz la acontece comigo. É muito frustante, me sinto um lixo. A pior coisa do mundo é não da prazer para ser namorado/ marido. Eu namoro a 1 ano e um mês, mas tento ter relação a mais de 5 meses. Não estou aguentando mais..
Ja procurei uma psicologa, e ela ta me ajudando. Mas a consulta da semana passada eu adiei para não ir la, e falar pra ela que fracassei de novo. Eu até estou pensando em pedir pra ela, um remédio para dormir, para que eu não veja nada e meu namorado acabe logo com essa dor. Por que acordada eu não consigo. Tento todos os finais de semana e nada.. Me ajudem por favor.
O que devo fazer, quero começar já!
Bjoo

Daniela Barros disse...

Oi, anônima de 19/03/12!
Vc só tentou esta vez, é isso? Pq ainda num dá pra dizer que vc é vagínica tendo tentado só uma vez... pq a primeira vez das meninas “normais” tb é um pouquinho mais difícil... então é preciso, antes de mais nada, tentar se deixar envolver pelas carícias do seu marido, investir nelas, pra vc poder ficar lubrificada o bastante para facilitar a penetração... Essa sensação de que não vai dar e vai rasgar é comum, muitas de nós tem esse medo e depois descobrimos que não era nada disso... Vai com calma, um passo de cada vez. Bjs

Oi, Ana!
Tomara mesmo que logo vc esteja aqui integrando o contador de curas! Olha, num tem nada demais em vc fazer sexo anal, viu? Tem muitas, Muitas, MUITAS mulheres vagínicas que fazem! Eu num sei pq nunca fiz, mas sempre tive a impressão de que deve doer mais... de toda forma, isso mostra que o vaginismo é um negócio de vagina MESMO, hahaha. Por algum motivo a um bloqueio em relação a algo entrar nela e em nenhum outro lugar mais. Da mesma forma, as mulheres que tiveram parto normal e são vagínicas: ora, passou um bb e num passa um pênis? Pois é, pq o negócio é entrar e não sair... Vc está no caminho certo, ir se conhecendo e aos poucos dessensibilizando... uma hora vai ficar tão fácil que vc nem irá acreditar! É só não parar o tratamento de novo, hein? Tem que manter a regularidade e logo vc estará curada!

Oi, anônima de 28/03/2012!
Pode mandar e-mail sim. Sobre como comprar os dilatadores, tem um post especial para isto aqui: http://vaginismotemfim.blogspot.com.br/2010/06/como-faco-para-adquirir-os-dilatadores.html

Oi, Marco!
Não me importo não, pode perguntar que vou respondendo. Se quiser me mandar um e-mail, pode tb! Eu acho que vc pode ajuda-la sendo compreensivo e dizendo que está a disposição dela para o que ela precisar. É importante q vc a apoie, incentive a fazer os exercícios e sempre diga a ela que vc confia que ela pode vencer isso e que vc estará lá para ajuda-la. Quanto a ser “mais ativo”, acho que vc precisa dizer isso a ela, que está disposto e daí ela que te indicará como vc pode fazer. Se vc tomar alguma postura muito incisiva, pode acabar assustando ela e talvez até atrapalhando o tratamento.
Boa sorte aí!
Bjs

Oi, anônima de 28/06/12!
Que legal que seu namorado te apoia, é muito importante tê-los ao nosso lado, né? Aproveita que ele está te ajudando e vá logo procurar um tratamento, siga bem as instruções do profissional, faça os exercícios com frequência e persista sempre! Loguinho vc estará aqui contando que está curada! Bjs

Olha, Augusto Mendes!
Eu acho que tem tudo isso aí que vc falou, mas tem muito mais que isso. Eu, por exemplo, não tinha timidez, nem insegurança, nem vergonha do meu corpo, nem de andar sem roupa e mesmo assim sofri muito tempo com vaginismo! Acho que num tem um modelo de mulher que sofra disso e tb num tem que culpar a sociedade por um problema como estes, tem é que tratar a individualidade de cada mulher!

Oi, anônima de 03/11/12!
Me manda um e-mail!

Oi, anônima de 03/11/12!
Num tem nada que se sentir lixo... se vc for um lixo, isso aqui é um lixão só! hahaha Pq todas estamos ou estivemos neste mesmo barco, né? Nada de pedir pra ela te dopar, vc num pode perder essa menina, sexo é o máximo de legal!! É divertido, é gostoso, é tudo de bom! Eu te entendo pq teve uma época que eu num queria ir pro quarto nem pensar (e olha que já era casada), mas tem q lutar contra isso, por ele e por vc! Vc merece curtir o sexo! Não fuja dela, ela tem muito o que te ajudar, mas vc num pode fugir... Não desiste! Vc tb pode procurar uma fisioterapeuta uroginecológica, que trabalha no controle da musculatura pélvica e fazer a fisio e a psico ao mesmo tempo, pode ser uma boa pra vc... Vamos nos falando. Bjs

Valdileia Alves disse...

Adorei as histórias Espero que um dia possa vir a publicar a minha aqui também!! Realmente bárbaro! também tenho sérios problemas com o vaginismo, porém a minha história é um pouco diferente. Já tenho um filho e mesmo assim continuo tendo problemas com o vaginismo!! Consigo penetrar um tanto mas não vai até o final, durante esse tempo que penetro não consigo sentir nem um tipo de prazer, só muiito incomodo e a vontade que eu tenho que meu parceiro tire logo o seu pênis.

Valdileia Alves disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Eu achei uma fisioterapeuta uroginecológica, depois de ler a indicação aqui no blog. Já fiz uma sessão e consegui alguma coisa! Nem acreditei! Quero que vcs saibam o quanto antes da fisioterapia, pq eu perdi muito tempo tentando me curar sozinha e nunca consegui o que a Dra Fernanda conseguiu em apenas 1 sessão. Gente procurem ela, fica aqui no Rio na Clínica Urofisio.

Anônimo disse...

Oi meninas!! Descobri que tinha vaginismo em julho de 2011. Após inúmeras tentativas frustradas de ter relação sexual com meu namorado e sem entender o porque de eu não conseguir deixar ele sequer introduzir um dedo na minha vagina, finalmente procurei uma sexóloga/fisioterapeuta. Começei o tratamento semanal com a fisioterapeuta em dezembro de 2011. Eu lia tudo que encontrava na internet sobre vaginismo, todos os blogs, sites, tudo!! Eu estava tão angustiada com isso, que até com a minha eu desabafei, apesar de sentir vergonha. Enfim, eu precisei mudar de cidade e na cidade em que fui morar não tinha fisioterapeuta uroginecológica (que é especialista nesse tipo de disfunção feminina). Com isso, eu resolvi que eu mesma iria acabar com esse medo de ser penetrada. Afinal, se todas as minhas amigas transavam, porque eu não conseguia??? Então no início de 2012 eu fiquei fazendo meu tratamento sozinha mesmo em casa. Começei tentando introduzir um dedo na vagina..depois comprei plugs anais(que são mais finos que vibradores)...eu sei que ao todo levou quase um ano até eu conseguir colocar um pênis (aquelas próteses que são vendidas no sex shop)...no início eu não tentava todo dia não..fazia umas 2 vezes na semana. No final de 2012 eu já tentava colocar alguma coisa na vagina era quase todo dia..eu estava apressada mesmo para ficar curada. Tudo isso porque eu ainda namoro a distância..então eu queria ver o meu namorado e finalmente conseguir transar, por isso a pressa também, nós passamos meses sem se ver. Resultado: quando nos encontramos agora, há algumas semanas, finalmente rolou, foi na primeira tentativa mesmo, não precisei nem colocar primeiro o vibrador para depois colocar o dele..eu tentei logo com o dele e entrou!!! A felicidade foi tão grande que as vezes parece mentira. Eu realmente tirei um peso das minhas costas. O sexo não doeu em nenhum momento. Então essa é a dica que eu dou..mesmo indo para as consultas, a cura está nas mãos de vcs. Tem que praticar em casa sozinha (pelo menos umas 3 vzs na semana)..vcs vão ver que o medo com o tempo vai embora..eu chorava no começo pra colocar um dedo, depois eu passei a achar bom!!! Espero ter ajudado de alguma forma, beijos!!

Anônimo disse...

Mas sim meninas (eu acabei de publicar o post acima mas esqueci de comentar uma coisa importante), outra coisa que eu pensava muito na época que tinha medo de ser penetrada é que eu seria rasgada...a vagina ficaria sangrando...que iria doer muito..mas isso tudo é mentira!!! A vagina abre mesmo, ela é elástica, ela dilata, mas é claro, quando estamos relaxadas!! Nas minhas tentativas de penetração eu nunca sangrei porque eu não deixava o meu namorado botar nem a cabeça do pênis. Lógico que se o cara tentar botar o pênis e a gente tensa e com medo, vai sair sangue..Por isso eu só botei o pênis do meu namorado depois que eu já tinha feito todos os exercícios em casa, depois que eu já tinha colocado um vibrador em casa sozinha. E em nenhum momento quando eu estava fazendo os exercícios em casa saiu sangue viu, porque era tudo feito devagar, eu nunca passei do meu limite, nem mesmo quando eu introduzia um dedo. É isso meninas..beijos!!!

virginia e o vaginismo disse...

olá,meninas acabei de criar um blog para compartilhar a experiência de ser vaginica durante 10 anos e agora ser uma ex-vaginica a apenas quase 3 meses..graças a deus...e como eu consegui a cura..gostaria de contar minha história e quem sabe estar ajudando muitas mulheres que como eu passaram,ou passam momentos de muita tristeza e angustia...beijos amigas....
há meu blog é o virginia e o vaginismo e meu endereço de email é virginiavaginismo@yahoo.com.br

Anônimo disse...

Olá meninas! Há um ano mais ou menos conheci o blog de vcs, ao ler tantos depoimentos positivos, fiquei muito emocionada... mas, achava impossível a superação do vaginismo po rmim. Afinal, conheci meu marido em 2004, casamos em 2009 e durante estes quase 9 anos nunca havíamos tido uma penetração completa. Sentina dor, ardia... era horrível. Nem um absorvente íntimo eu conseguia usar... Já havia praticamente desistido, até que um dia fazendo buscar pela internt eu conheci um site www.vaginismus.com Comprei um kit que possui livro, dvd, dilatadores... e mesmo após chegar em casa, demorei para ter coragem de abrir e iniciar minha trajetória, tinha medo de não conseguir... aops poucos eu tomei coragem e tive grandes surpresas, consegui colocar os dilatadores gradativamente... em um mês eu estava curada!! Hj, eu consigo ter penetrações sem problemas... parace um milagre... Se eu consegui, qualquer mulher consegue!!! Jamais achei q eu superaria isso um dia!

Princesa disse...

Nossa fico muito feliz por vc, eu tb adquiri os dilatadores e chegaram essa semana, estou muito satisfeita com resultados iniciais.

Jéssica disse...

Olá, companheiras de luta xD
Sofri com o vaginismo recentemente e ler os comentários do blog me ajudou muito a lutar para superá-lo. Por isso, resolvi publicar minha história aqui, esperando que possa ajudar alguém do mesmo modo que vocês tanto me incentivaram, ainda que sem saber.

Meu nome é Jéssica, tenho 23 anos e tive vaginismo durante quase três meses (pouco comparado com algumas histórias que li por aqui, mas ainda assim acho válido compartilhar minha experiência). Não preciso descrever muito aqui os sintomas que tanto conhecemos: dor, ardência, desconforto, músculos travados, sentimento de impotência por não conseguir algo aparentemente tão banal, fim da excitação sexual só de pensar em tentar a penetração, etc.

Vejo muita gente comentar aqui sobre a importância de treinar com dilatadores e ir conseguindo se acostumar com a penetração progressivamente. Isso é importante também, mas acho que o que mais me ajudou foi explorar o meu corpo e ir descobrindo como ele funciona.
Sempre me achei sexualmente liberal e foi uma surpresa ter que encarar um problema como vaginismo. Me masturbo desde pequena e nunca vi o sexo como algo errado. A questão é: eu sempre me restringi a região do clitóris, tinha alguma trava pra explorar a entrada da vagina ou tentar uma penetração com o dedo (na verdade, até hoje dá aflição só de pensar. Ainda tenho muito a evoluir). Então percebi que, mesmo me achando liberal, a sociedade ainda conseguiu travar uma parte da minha sexualidade. E antes de resolver o problema do pênis do meu namorado não entrar, eu tinha que superar minhas travas sexuais comigo mesma. Mais do que introduzir meus dedos aos poucos, eu tentei explorar bastante a região, ver como ela funciona (visualmente, inclusive). Descobri que com muita calma e jeito, meu corpo poderia se adequar ao pênis do meu parceiro sem que eu sentisse dor (isso é importante, porque a dor só faz com que seus músculos se contraiam mais, tornando tudo pior). A maneira de aplicar isso na hora do sexo foi ficar por cima, tentando com calma a penetração, nada de forçar. Me relaxou muito o fato de saber que eu não sentiria dor assim, afinal, eu não machucaria a mim mesma (não que meu namorado não ligasse para as minhas dores, ele sempre se preocupou muito com isso, na verdade. A questão é que só você mesma tem controle total do seu corpo, ao ponto de saber onde doi ou não). Na mesma semana de "minhas explorações" já consegui fazer a penetração e, pasmem, sem dores! A lição que fica de tudo isso é que o nosso corpo é o nosso bem maior. Isso mesmo, NOSSO e de mais ninguém, ou seja, podemos e devemos explorá-lo a vontade, sem toda essa castração que a sociedade machista nos impõe desde muito cedo, ainda que inconscientemente.

Outra coisa que acho que me ajudou muito foi o fato do meu namorado puxar a responsabilidade pra ele também: NÓS temos um problema e NÓS vamos conseguir superá-lo. Porque realmente é muito difícil pra mulher lidar com toda a responsabilidade, a auto-estima vai lá embaixo! E o parceiro é essencial na luta contra o vaginismo, porque ele também fica frustrado com essa situação toda, assim como a gente, e a colaboração dele é importantíssima no processo. Mais do que me dar apoio e carinho, ser paciente e tentar ao máximo me excitar, senti que ele estava ali do meu lado encarando aquilo comigo e isso me deu muita força.

Bem, meninas, essa foi a minha história. Espero que de alguma forma ela possa ajudar alguém. Eu sei que é difícil não desanimar e continuar tentando, mesmo quando toda a sua excitação e auto-estima parecem desaparecer ao simplesmente pensar na penetração. Ou então vencer o desânimo após mais uma tentativa fracassada. Mas temos que continuar tentando! Não há outro jeito! Acima de tudo, pensem que estão fazendo isso por vocês mesmas, não só pelo parceiro. Na verdade, vocês dois estão juntos nisso e essa união, além de gerar muita força, também pode trazer muito prazer.

Anônimo disse...

Boa Noite,

relatei anteriormente aqui no blog, a minha dificuldade. tenho 28 anos, sou casada a quase dois anos, e nunca consegui a penetração, procurei em vários profissionais de Ginecologia e uma sexologa a resposta para minha aflição, porém ao invés da resposta eu tinha críticas por parte desses "profissionais" foi ai que procurando na internet eu li sobre a fisioterapia uroginecologica, a principio bateu o medo, pois nem mesmo um cotonete eu conseguia penetrar!!! resisti e em um dia de desespero, resolvi tentar a fisioterapia, fiquei, procurei a Dra. Fernanda Pacheco que é simplesmente maravilhosa, e já na primeira sessão ela já conseguiu inserir o dilatador, fiquei impressionada!!!! estou muito animada!!!!

Rosane Maciel disse...

Boa noite!

Sofro com vaginismo há três anos, sou casada, mas nunca demos tanta atenção para este problema, os dias foram passando e acreditávamos que eu iria conseguir no dia seguinte. Porém há um ano atrás resolvi procurar ajuda e descobri que tinha que tinha isso, só que meu marido não concordou em fazer o tratamento, então já se passou um ano após a descoberta e até agora nada. Preciso resolver isso mesmo que sozinha, é possível fazer o tratamento sem ajuda do parceiro, me ajudem estou perdida!!!!!

Anônimo disse...

Rosane, a fisioterapia pélvica funciona mesmo, se voce é do RJ procura a Dra. Fernanda Pacheco na clinica UROFISIO. ela é muito boa

Anônimo disse...

Boa tarde meninas ! Também sofro com vaginismo,mas estou esperançosa porque consegui uma psicóloga com especialização em sexologia que atende planos de saúde. Como sei que muitas gostariam de fazer o tratamento ,mas encontram consultas caras vou deixar o contato dela aqui.Drª Shirley Magnólia tel.3474-5811/98557-7606 (oi)/98337-9609(tim). Atendimento no Centro Cinelândia e Copacabana

Anônimo disse...

Meninas,não desistam,eu tinha vaginismo e graças a Deus estou curada!Procurem um psicólogo e terapeuta sexual como eu,vai dar tudo certo p vcs assim como deu para mim! Não desistam!!!

Anônimo disse...

ORAÇÃO INFALÍVEL P AMOR À IEMANJÁ

Data: 02/02/15





Oração poderosa à Iemanjá
Iemanjá, minha rainha, faça com que (D.D.R) assim que acordar pense em mim,e não pare de pensar em mim, enquanto não falar comigo. Que ele sinta uma enorme vontade de me ver e me ligar, dizendo que precisa muito me ver e estar comigo. Ainda hoje que (D.D.R) sinta muita falta de mim e deseje a todo instante a minha companhia e, assim que esta oraçao for publicada, se ele estiver dormindo ele vai sonhar comigo, e quando acordar, ele vai pensar em mim o tempo todo. Iemanjá minha rainha peço que atenda o meu pedido. Obrigada. Assim seja Assim será!

Linda Bel disse...

Estou aqui para compartilhar contigo a minha cura! Foram 8 anos de sofrimento, desde que me casei, que não cabe aqui detalhá-lo, pois todas já conhecem essa realidade. Sei que não deve ser como uma receita de bolo, mas vou falar um pouco do que me ajudou. Quando fui diagnosticada, após passar por vários ginecos, procurei por uma ajuda psicológica, que foi um primeiro passo para me ajudar a me conhecer e a me soltar mais, em todos os sentidos. Comecei praticar a dança do ventre tb como parte da terapia e hoje me encontrei nela, o que também me ajudou e muito! Bem, tive uma criação religiosa bem rígida, mesmo sendo católica, nasci e cresci ouvindo que "isso é pecado", que "aquilo leva pro inferno" etc. Sem falar que, pelo fato dos meus pais serem pessoas simples, criadas no interior, sexo era um assunto que nunca acontecia em casa. Menstruei aos 15 anos, sem saber muito sobre essas coisas. O que sabia, era pelos colegas de escola, da rua... Comecei meu tratamento do vaginismo com a terapia, fiquei durante uns 2 anos e mesmo saindo dela por falta de grana, continuei questionando essa coisa do que é errado, do que é pecado... e fui tentando me libertar dessas coisas q tanto me oprimiam. Seguindo a orientação da terapeuta, passei a me observar mais com um espelho, a me tocar, a me conhecer... pq até então, nunca tinha nem olhado pra minha vagina. Quando digo olhar, é olhar lá embaixo mesmo! Pq, como disse, essa questão do sexo sempre foi um tabu na minha vida. Então, fui comprando umas próteses em Sex Shop, foi aí q perdi tb o medo de entrar numa loja dessas. Rs... E fui me tocando, depois convidei meu marido a participar, passei a colocar meu dedo, depois o dedo dele... e ele me apoiou muito durante todo esse tempo, o que foi fundamental tb... tentávamos penetração normal, mas já em acordo de que não nos frustraríamos caso não conseguíssemos, pra não haver cobranças... até que, mesmo com dor, conseguimos só a cabecinha do pênis e ficamos assim ainda durante uns 3 anos. Só que nesse período, continuei com o meu processo de libertação pessoal, ou seja, passei a me vestir de uma maneira um pouco mais ousada, a me arrumar mais, passei a ser mais ousada com meu marido, falar palavrões, ou seja, passei a me permitir... não que eu tenha virado uma "puta" - me desculpem o termo - mas, passei a me olhar mais, a fazer aquilo q eu tinha vontade, mas que tinha medo, vergonha... parei de me prender a determinadas convenções, regras e leis... e me abri com alguns amigos mais íntimos sobre tudo isso. Só sei que no dia 02/02/2015, estava lá com meu marido e quando percebemos, havia penetrado tudo!! Senti dor, mas não tão insuportável quanto antes. Sem falar que o pênis do meu marido é bem grosso. E uma posição que me facilitou muito, foi com ele deitado e eu sentada de costas pra ele, e, claro, com muito lubrificante! Chorei muito de emoção mesmo, pois não acreditei q um dia conseguiria. Hoje ainda sinto um pouco de dor no começo, mas vou me acostumando,relaxando e já fazemos até outras posições. Não tem dinheiro no mundo que pague em ver a carinha de prazer do meu marido e de eu poder me realizar como mulher! A questão da auto estima ajuda muito! Sinta-se poderosa, sedutora, uma verdadeira deusa! Isso contribui muito na questão da sexualidade, da feminilidade! Se arrume, se cuide! Coloque aquela roupa e não tenha medo de ser elogiada e até de receber algumas propostas indecentes, mas aí é uma outra questão. Rs...

VAGINISMO TEM CURAAAAAAAAA!!!!!!!!!!!!!!!!!


Anônimo disse...

Olá meninas, realmente este blog tem ajudado muita gente que como eu, desconhecia o que é esse tal de vaginismo... rsrsrs. Foi um presente de Deus ter encontrado as respostas para esse problema que tanto me afligia. Tenho um marido magnifico e uma intimidade maravilhosa, mas a muito tempo sofremos por não conseguir a tão sonhada penetração. E olha que já são mais de 10 manos nesta luta! Apelei até mesmo para a cirurgia de retirada do himem, mas nada adiantou, o problema estava na cabeça. A um mês atrás, mesmo contra a vontade dele comprei os dilatadores pela NET e tive uma surpresa, no 1º dia consegui usar até o nº 4. Ainda não consegui passar para o nº 5 mas estamos muito felizes com o progresso e eu deixei de me sentir um ET, já me vejo como uma mulher normal e próxima da cura. Assim que conseguir divido a experiência aqui, mas quero agradecer muito a força e esclarecimentos partilhados neste blog. Tenho sentido uma sensação muito boa por saber que sou normal e vinha vagina tem a passagem que por mais de 10 anos achei que não existia... kkkkk.

Anônimo disse...

Oi, meninas! Depois de 10 anos, isso mesmo, 10 anos, consegui a primeira penetração!!! Meu marido e eu choramos de emoção, pois como sabem o caminho é muito sofrido. A penetração foi um pouco dolorida, mas sei que em pouco tempo vai melhorar...Esse blog me ajudou muito com as dicas! Eu não conseguia nem tocar na entrada da vagina quando me casei (casei virgem) só depois de 8 anos, desesperada, conversei com a ginecologista e ela me disse que era vaginismo e eu fiquei feliz, pois pensei que eu era um ET! Ela me mandou tentar colocar um absorvente interno. Demorei quase um ano para conseguir colocar o OB mini e não tive coragem de voltar a ginecologista. Depois comecei a pesquisar nos blogs e vi que muitos indicavam os dilatadores. Comprei e comecei treinamento, era muito ruim, me sentia um lixo, me sentia estranha, incapaz..., ficava sozinha no quarto fazendo os exercícios e até chorava, pensava que nunca iria conseguir e demorou uns 2 anos até eu chegar ao último tamanho, mas quando ia tentar com meu marido, NADA!!! não entrava, eu via a tristeza no rosto dele e pedia a Deus que me matasse ( eu não estou exagerando), pois assim ele teria a oportunidade de ter uma vida completa e feliz com outra mulher. No desespero cheguei a falar com ele para procurar mulher na rua, ele nunca aceitou e dizia que ia viver sem sexo completo, isso me matava por dentro...Depois li uma dica aqui no blog para atrelar os exercícios com os dilatadores com minha intimidade com meu marido,( eu fazia os exercícios sozinha em casa). Percebi que meu marido ficou meio estranho quando viu aquele monte de dilatadores na cama rs, aí fiz assim: enquanto ele me acariciava eu ia colocando os dilatadores um a a um, do menor para o maior com muita calma,deixava cada um deles por volta de 5 minutos dentro de mim. Quando terminei pedi ao meu marido que tentasse colocar o pênis dele, eu segurei o pênis dele e controlei o tanto que podia entrar, aí entrou TUDO!!! Na primeira vez que tentamos!!!!!!! Nem acreditei!!!!Gente, não desistam!!! É possível sim!!! Deus é bom demais!!!! Na hora passou na minha mente todos aqueles looongos anos de tristeza que finalmente tinham chegado ao fim.

Postar um comentário

Que bom que vc decidiu compartilhar sua luta comigo! Vamos vencer, tenho certeza!
Agora eu aprendi, então, depois de comentar, pode voltar aqui que vai ter uma respostinha minha, tá?
Bjs